Tijolo e betão

Há situações que temos de virar do avesso os nossos hábitos. Neste caso, quando fizemos o levantamento verificámos que da estrutura original já só existiam alguns vestígios e que, para além disso, o edifício já tinha sofrido vários acrescentos. Normalmente, gostasmos de abordagens contidas, conservadoras, aproveitando o que há a aproveitar. Mas desta vez pouco havia a aproveitar. Concebemos uma estrutura nova de acordo com o programa e com as características do edifício. Mais tarde, reformulámos essa estrutura em função dos ajustes orçamentais e para ir ao encontro da capacidade técnica do construtor. E a coisa vai, certa e segura até ao seu destino. Aos poucos o ninho vai tomando forma. Aqui, nesta fase, dá para ver como também o tijolo e o betão, apesar de tudo. têm o seu encanto.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Estrutura

Após a conclusão da demolição e retirada de todo o entulho que ainda se encontrava no prédio, deu-se início à execução da estrutura. A estrutura neste caso será em betão armado constituída por lajes aligeiradas e pilares em betão ou metálicos consoante a sua localização.

vista do piso 1

vista do piso do rés-do-chão

vista da laje de betão existente

laje do 1º piso já concluída

O ponto de partida

Alçado principal e envolvente 1

Alçado principal e envolvente 2

Alçado trás e logradouro

«O edifício está totalmente devoluto e encontra-se em estado avançado de degradação e com algumas alterações construtivas relativamente ao edifício original como é o caso da ampliação existente. O edifício tem duas frentes, com serventia única pela Rua de Camões, com área de implantação aproximada de 92,0 m2 e é composto por rés-do-chão e 1 piso. Existe ainda um logradouro com área aproximada de 71m2.»

[in Memória Descritiva]

Uma casa na baixa para uma família portuense

Este projecto iniciou-se em Março de 2008, em Agosto deu entrada na Câmara Municipal do Porto o projecto de arquitectura, tendo sido aprovado pelos serviços em Janeiro  de 2009. Seguiram-se as especialidades que foram aprovadas pelas diversas entidades sem problemas de maior e depois… depois seguiu-se um compasso de espera. Em finais de 2011 os proprietários resolvem avançar com a obra e no início de 2012 as máquinas e os homens saíram finalmente à rua. Começa a última etapa desta casa na Baixa do Porto que há tanto tempo aguardava por uma nova  família.